Volta do abate na Bahia coloca jumentos nordestinos em risco de extinção

Volta-do-abate-na-Bahia-coloca-jumentos-nordestinos-em-risco-de-extinção.jpg

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados promove amanhã, terça-feira (3), audiência pública para discutir o abate de jumentos e a comercialização de pele desses animais.

O debate ocorre após a derrubada, pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, de liminar judicial que proibia os frigoríficos de abater jumentos na Bahia e impedia a exportação da carne desses animais.

A liminar havia sido concedida em dezembro, em razão de denúncia de maus-tratos, e foi derrubada em setembro deste ano.

“O abate de jumentos no Brasil visa atender um anseio meramente comercial e acaba negligenciando questões sanitárias e o bem-estar dos animais”, disse o deputado Célio Studart (PV-CE), que solicitou a audiência.

O deputado afirma que, em decorrência de denúncia anônima feita em janeiro de 2019, descobriu-se “o estado de insalubridade e calamidade” que resultou na morte de 200 animais por falta de água e comida em Canudos, na Bahia.

“Os jumentos seriam exportados para a China e acabaram mortos por fraqueza e inanição”, informou. “Meses antes, em Itapetinga, dezenas de outros jumentos foram encontrados em situação semelhante.”

Studart alerta que, de acordo com o Conselho Regional de Medicina Veterinária da Bahia, a morte de jumentos causada por maus-tratos poderá resultar, em alguns anos, na extinção desse animal no Brasil.

“Os abates têm muito a ver com o abandono sofrido por esses animais, que antes colaboravam com o transporte e o trabalho no campo e acabaram, pouco a pouco, sendo substituídos por veículos motorizados“, explica o parlamentar.

Convidados

Foram convidados para a audiência:

– a diretora técnica do Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal, Vânia Plaza Nunes;

– a presidente da Frente Nacional de Defesa dos Jumentos, Gislane Brandão

– a bióloga e representante da organização não governamental The Donkey Sanctuary, Patrícia Tatemoto;

– a professora da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Estadual do Ceará, Adriana Wanderley de

Pinho Pessoa;

– o diretor da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), Rui Leal;

– o chefe do Serviço de Investigação, Auditoria e Gestão de Riscos do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Francisco Sadi Santos Pontes.

A audiência está marcada para as 14 horas, no plenário 8.

Fonte: Blog da feira